Página no Facebook

Página no Facebook
Clique na foto
Mostrando postagens com marcador história do transporte. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador história do transporte. Mostrar todas as postagens

Cristo Redentor - linhas extintas

O Sr. Antônio Albino Pimentel , operava linhas da zona oeste , a exemplo da iniciada em 1967 , que atendia as fábricas da BR 232 , denominada Cristo Redentor , a empresa se chamava Expresso Pimentel . Com horário de circulação das 4 da manhã às 22 horas , tinha pontos terminais na Praça 17 e Rua da Aurora , dez ônibus monoblocos Mercedes - Benz com capacidade para 36 passageiros sentados , foram adquiridos pela empresa para operação dessa linha .

A linha sofreu as disputas de território que eram comuns na época , pois as empresas reclamavam da invasão da CTU nos itinerários operados por elas ; caso da linha Cristo Redentor , onde a Pimentel reclamava que a CTU alterava seus terminais com o intuito de fazer concorrência na linha . A Expresso Pimentel reclamava também que a CTU mandava os carros dela fecharem os da Pimentel provocando acidentes e riscos aos passageiros.

Expresso Pimentel

Em 1967 , quando o Distrito Industrial do Curado ganhava força , com a chegada de grandes empresas como : Tintas Coral , Johnson & Johnson e Romi , e onde já estava instalada a Microlite , a necessidade por transporte era notável . Com isso a Expresso Pimentel ganhou a concessão para operar a linha Recife / Cristo Redentor ( Jaboatão ) , colocando em circulação dez unidades do monobloco Mercedes - Benz recém - adquiridos .

Em julho de 1967 a CTU impetrou mandado de segurança contra a Expresso Pimentel , para retirada da concessão da linha , mandado esse negado pela justiça. Depois a linha passou a ser operada pela AVS , em seguida a Borborema adquiriu a AVS e suas linhas receberam nova nomenclatura , e o itinerário da Cristo Redentor passou a ser feito pelas linhas dos Curados .

Atualidade

Nos dias atuais , as linhas que trafegam pela BR 232 , onde estão instaladas as fábricas que a Expresso Pimentel atendia são feitas pela Borborema . Quem não lembra da Curado IV ( Av 01. TIP ) , ou Curado IV ( Rua 14 ) ? operados pelos saudosos Engerautos , como na foto abaixo , postada no site Ônibus Brasil .

Mas com a implantação do SEI na Integração TIP , as linhas dos Curados que iam para o Centro passaram a alimentar o TI TIP , criando - se as linhas radiais 346 TI TIP ( Conde da Boa Vista ) e 347 TI TIP / Derby .

Mas além dessas outras linhas fazem o trajeto pela Avenida Getúlio Vargas ( BR 232 ) , entre elas estão as que você vê nas fotos abaixo :

Linha 341 Curado I ( Conde da Boa Vista ) , a única dos Curados que não se tornou alimentadora do TI TIP.

Reciferal , conheça a fábrica da montadora carioca que funcionou em Jaboatão

Não foi só a Caio Norte , Pernambuco já teve outra montadora de ônibus !

A Reciferal foi constituída em abril de 1967 , como sociedade anônima , que tinha como objeto a fabricação , reforma e conserto de carroçarias de ônibus e de outros veículos de transporte ; Além disso , fabricação de partes de peças e acessórios desses veículos , a comercialização de produtos , a revenda e e representação comercial de produtos afins. Em resumo a Reciferal tinha como principal objetivo inicial reformar carroçarias comercializadas pela Ciferal Comércio e Indústria na região .

A firma foi instalada na rua Eng. José Brandão Cavalcanti , 171 , onde hoje existe a Igreja de Jesus Cristo , na Imbiribeira . Em 1972 a primeira unidade produzida na fábrica foi comercializada.

A fábrica de Prazeres

Em abril de 1976 . a Nápoles adquiriu duas unidades do modelo Líder 76 , apresentados em evento no Cabanga. Na entrega dos ônibus , anunciou-se o projeto de construção de uma nova fábrica , esta localizada no bairro de Prazeres , em Jaboatão dos Guararapes. Com capacidade instalada para fabricação de 50 unidades modelo rodoviário e urbano, tipo comercial ou equipado com ar condicionado , a nova fábrica seria a responsável por produzir ônibus para o mercado nordestino.

Em maio de 1977 a Autoviária senhor do Bonfim inaugurou linha para Maceió com ônibus executivos adquiridos da Reciferal .

No segundo semestre de 1977 a Reciferal entregou 15 unidades do modelo Líder/77 a Autoviação Progresso.

Em 1978 a Reciferal chegou a encarroçar 10 veículos mensalmente. E neste ano saiu de sua linha de produção o primeiro modelo urbano .

Recorte de jornal digital Diário de Pernambuco

Local onde funcionou a Reciferal , próximo a Coca - Cola ( Guararapes )

Numa imagem ampliada do satélite pode ser visto o nome Reciferal no telhado do galpão

Curiosidade : a Reciferal fez parte do capital social da empresa de transportes coletivos Transcol.

Em setembro de 1978 a Reciferal já funcionava a todo vapor , produzindo 25 unidades mensais ; a Borborema recebeu 20 unidades de um total de 50 encomendados a mais nova filial da Ciferal , com sede no Rio de Janeiro.

Em fevereiro de 1979 a Reciferal entregou 25 ônibus tipo urbano a Expresso Vera Cruz .

Em maio de 1979 a Borborema adquiriu 50 unidades na Ciferal , na época o Grupo Borborema já operava 28 linhas intermunicipais no estado e 9 linhas urbanas na capital , além de 5 interestaduais.

Em setembro de 1979 a Reciferal ofereceu um coquetel para os empresários na apresentação das suas novas carrocerias : Araguaia , Tocantins e Solimões.

No ano de 1980 a Reciferal já produzia 30 ônibus por mês , e visava ampliar essa capacidade de produção .

Ciferal Tocantins operando pela Borborema , foto Bus do Vanderbilt

Em dezembro de 1980 , no 1° Salão Autoenergético , foi exposto o modelo rodoviário Araguaia , produzido na fábrica da Reciferal.

A Autoviação Progresso adquiriu algumas unidades do rodoviário Araguaia

Ciferal Tocantins da Transportadora Itamaracá , depois transformado num citytour

No começo dos anos 80 começou a ser produzido pela Reciferal o mais recente lançamento da Ciferal , o modelo Iguaçu

O fechamento da Reciferal

Em 1981 a Reciferal colocou a venda as instalações antigas , localizadas na Imbiribeira , concentrando na fábrica de Prazeres todos os serviços ; .

Em dezembro de 1981 a Reciferal demitiu 86 empregados , em abril de 1982 os empregados ainda não haviam recebido as indenizações , pois a empresa atravessava uma séria crise financeira. Em 1982 a empresa começou a atrasar o salário dos empregados, em meio a uma crise financeira que o setor metalúrgico passava

Cideral da Transcol , trafegando pelo centro do Recife

Em julho de 1982 a Reciferal começou a tirar todas as máquinas da fábrica de Prazeres e depositá-las na garagem da Transcol , empresa de propriedade do grupo. Denúcia feita pelo sindicato dos metalúrgicos , que suspeitou da ação onde segundo o sindicato , os maquinários foram retirados da fábrica no intuito de evitar o leilão para pagamento dos mais de cem empregados demitidos em dezembro de 1981 e que ainda não tinham recebido as indenizações. Além disso o sindicato afirmou que a Reciferal continuava demitindo e contratando novas pessoas , mas com salário bem abaixo dos antigos . Em novembro de 1982 a delegacia do trabalho recebeu verbas para o pagamento do auxílio - desemprego aos demitidos da Reciferal .

Contribuiu para a crise na Reciferal a não renovação da frota por parte dos empresários de ônibus , o que causava ainda mais demissões , aliado a isso , o mercado nordestino ganhava um concorrente de peso , a Nielson , que expandiu a comercialização de seus ônibus na região. A Reciferal fechou em 1984.

Vipel - viaturas e peças Ltda

Vipel - viaturas e peças ltda , foi a principal representante Marcopolo nos anos 80 no Nordeste. Inicialmente funcionando em Goiana , em 1980 mudou sua sede para Rua São Miguel em Afogados.Sob a titularidade do empresário José Alfredo de Medeiros. Além de comercializar ônibus novos , também vendia usados , da Marcopolo e outras carrocerias .

Veja agora as principais aquisições das empresas de ônibus do estado junto a Vipel .

Em 1978 a Vipel fornecia as empresas Santa Maria de João Pessoa e Barros de Natal , 25 unidades do modelo Veneza II. Outras empresas que adquiriram ônibus este ano na Vipel : São Judas Tadeu , São Sebastião , Santa Cruz , Expresso Amapá , Auto Viação Mirim , Expresso 2 de Julho , Princesa do Agreste , Expresso Mandacaruense , Empresa Marques da Silva , Viação Boa Vista , Planetur , Expresso Aroeirense , Expresso Condor , Empresa Nossa Senhora dos Remédios , Viação Planalto , Empresa Barros e Viação Nordeste. .

Em 1979 , unidades do Marcopolo II foram comercializados com as empresas Auto Viação Santa Cruz e Transporte Olindense.Neste ano também , a Vipel promoveu várias entregas nos estados de Alagoas , Rio Grande do Norte e Paraíba

Santa Cruz , Amapá , Machado , Olindense de Recife , Tabosa e Caruaruense renovaram suas frotas em 1980 com ônibus adquiridos na Vipel.

Local onde funcionou a Vipel , em Afogados .

Em 1981 as empresas Progresso , Princesa do Agreste , CTU e Borborema renovaram suas frotas com ônibus comprados na Vipel. No mesmo ano a Rodoviária Machado adquiriu 15 unidades do Marcopolo San Remo. A Vipel forneceu também para várias empresas do Rio Grande do Norte e algumas da Paraíba.

Marcopolo III , uma das carrocerias comercializadas pela Vipel.

A Vipel contava com o apoio de uma fábrica piloto da Marcopolo instalada em 1978 no bairro do Ibura , que funcionava com serviço de assistência técnica , oficina e estoque de peças de reposição para todo o Norte / Nordeste.

Em 1983 a Marcopolo / Vipel apresentaram no Cabanga Iate Clube os modelos da geração IV : o novo Torino , o Viaggio ( adquiridos pela Borborema e Real Alagoas , São Domingos, Jotude , Progresso e Caruaruense) e o Strada. Neste ano a Jotude adquiriu 13 ônibus na Vipel , para atuar nas suas 17 linhas , em Pernambuco e Alagoas e a Empresa Oliveira renovou sua frota com 8 ônibus modelo Torino.

Em 1984 a Marcopolo aumentava o leque de produtos da Geração IV , disponibizando na Vipel os modelos Paradiso e Senior.

O carroceiro na mobilidade do Recife

"Prefeitura quer acabar com o trânsito de carroças de tração animal dentro do Recife ."

Nesta semana fui surpreendido com essa notícia nos jornais televisivos do Recife . E então resolvi pesquisar sobre o assunto .

É comum a quem transita pelas ruas do Recife encontrar alguém conduzindo uma carroça , seja ela acoplada a um animal ou não. A cena faz parte do cotidiano recifense há quase um século . E hoje vamos mostrar a relação desse meio de transporte com a mobilidade dentro das cidades . São muitas as atividades nas quais eles se empregam , como ferro - velho ; coleta de recicláveis ; mudanças ; recolhimento de lixo pela coleta de resíduos , transporte de materiais de construção e até no transporte de pessoas , como os próprios familiares do dono da carroça .

foto : http://www.brasilhipismo.com.br

O grande problema desse tipo de transporte é o mau trato por parte de alguns condutores que utilizam animais como puxadores , e isso é um problema antigo ; Numa coluna do Diário de Pernambuco veiculada no ano de 1881 , já havia um relato de mau trato a um burro guiado por um carroceiro , onde este apanhava frequentemente do seu dono , com açoites na cabeça do animal . Naquela época uma lei foi aprovada limitando a quantidade de carga que cada carroça poderia conduzir.

Mas a problemática dos carroceiros não fica por aí , outro grande motivo para os governantes pensarem em proibir o tráfego desse tipo de veículo dentro do Recife é mesmo a questão de mobilidade , pois como as vias hoje são feitas para os carros , os carroceiros que já chegaram a competir com táxis e camionetes no transporte de mercadorias , perderam espaço para os automóveis e hoje são vistas como um problema que atrapalha o trânsito nas grandes cidades .

Carroceiros querem regulamentar a atividade ao invés de extingui-la .

Isso já foi uma realidade no Recife , antigamente os carroceiros eram obrigados a tirar a carteira de carroceiro e emplacar a carroça. Nos dias atuais não existe essa regulamentação , e os carroceiros são encarados mesmo como meio de transporte clandestino . Alguns que atuam na atividade defendem que deveriam impor regras a quem exerce a atividade , como aplicação de multas aqueles que forem flagrados maltratando os animais .

Carroceiros já foram o principal meio de transporte de cargas no Recife de outrora.

No começo do século XX , o trânsito de carroças na cidade do Recife era intenso , da Boa Vista a Dois Irmãos , do Pina a Madalena , da Encruzilhada a Boa Viagem ... tudo se transportava por carroça. Daí veio o caminhão , que foi aos poucos ganhando espaço nas ruas e " tirando " as cargas do domínio dos carroceiros. Veja abaixo alguns fatos relevantes nessa luta do carroceiro nas ruas do Recife.

Linha do tempo

Em julho de 1970 o trânsito de carroceiros na ponte Juazeiro - Petrolina foi proibido , provocando o desolamento de centenas de carroceiros que transportavam mercadorias entre as duas cidades .

Em novembro de 1970 , por motivos de muitos acidentes estarem ocorrendo envolvendo os carroceiros , o Detran começou a exigir deles , o conhecimento do Código Nacional de Trânsito e tratamento de animais , proibindo a condução de carroças por menores de 18 anos . Na época também foi decidido que deveriam emplacar e pintar as carroças , além dos animais possuírem ferradura.

Em 1971 os carroceiros possuíam até sindicato : Associação dos Condutores Autônomos de Veículos de Tração animal e Manual de Pernambuco.

Em 1972 o Diário de Pernambuco noticiava : fim das carroças no Recife . O artigo falava do fim da profissão e que tinha se tornado raro encontrar um carroceiro guiando sua carroça puxada por um animal. Que a cidade moderna tinha absorvido o carroceiro , o Detran tinha proibido o tráfego em várias ruas e a população passou a dar preferência aos caminhões no transporte de mudanças e cargas pesadas.

Siga o blog no Facebook (https://www.facebook.com/blogMobilidadeeTransporte/) e fique por dentro das próximas postagens . Em breve traremos mais uma matéria relacionada ao assunto , vamos falar dos bondes puxados por burros, que circularam no Recife no século 19.

Ipsep : conheça o seu bairro

Um bairro bem localizado , ás margens de duas grandes avenidas , próximo a praia ... assim pode ser definido o bairro do Ipsep , na área sul do Recife.

O bairro do Ipsep tem predominância residencial , em sua maioria moradores de conjuntos construídos para os funcionários de órgãos do governo como o próprio IPSEP e Sudene .

Formado por quatro grandes vilas , a do Ipsep , Vila da Sudene, a Vila Mauricéia e a Vila Maria Lúcia. Outra característica no bairro é o diversificado comércio , que cresceu ao longo dos anos para atender a população local .

Mobilidade

Rua Jean Emile Favre , principal artéria do Ipsep

A Rua Jean Emile Favre é a principal rua do Ipsep , ela faz a ligação da Avenida Recife ( que margeia todo limite oeste do bairro ) com a Mal. Mascarenhas de Moraes , com isso , se tornou uma via de passagem de quem vem da Imbiribeira com destino a Avenida Recife.

A rua foi pavimentada no início dos anos 60 .

Transportes

Linhas que ligam o bairro do Ipsep ao Centro do Recife

- A Auto Viação Costa operava a linha Vila do Ipsep ( Ibura ) em meados dos anos 50 ;

- Em 1959 a empresa Expresso Brasileiro e a Viação Cometa atuavam na linha ;

- Em 1960 a linha era operada por duas empresas : a Expresso Tigre e a Expresso 7 , as duas em número insuficiente de carros para a quantidade crescente da população;

- Em 1961 a Expresso 7 era quem operava a linha;

- 1962 Rodoviária São José e Expresso Frederico. Ainda em 1962 , a linha Ipsep ( Areias ) era operada pela Empresa São Jerônimo;

- 1964 Rodoviária São José;

- 1965 Empresa Frederico;

- 1966 Rodoviária São José;

- 1967 Empresa Marcionilio Dias , a Rodoviária São José vendera seus ônibus e com isso a A.V.S foi autorizada a operar na linha;

- Em 1969 ônibus elétricos da CTU circulavam na linha do Ipsep;

- Em 1976 a CTU colocou ônibus opcionais na linha do Ipsep ;

- Em 1977,1978,1979 e 1980 a linha Ipsep ( Barão de Souza Leão ) era operada pela Borborema ;

Em 1980 com o zoneamento da EMTU a Vera Cruz começou a operar nas linhas do Ipsep;

Moradores não se beneficiaram com o TI Tancredo Neves

O bairro de Ipsep era via de passagem de várias linhas que vinham do Ibura e URs para o Centro do Recife , com a criação do TI Tancredo Neves as linhas passaram a integrar no terminal e deixaram de trafegar dentro do bairro .

Tão próximo de um terminal integrado mas sem linhas que façam essa ligação , os moradores do bairro se sentem prejudicados pois não ganharam uma linha direta que integre no novo terminal , isso desde a inauguração , em 2013 .

Mobilidade nos bairros : Jardim São Paulo

Jardim São Paulo está localizado na zona oeste do Recife . Possui uma população de 31.648 hab ( censo 2010) ; sua área territorial é de 2,59 km² , sendo o 19º bairro em extensão territorial do Recife. Com relação a mobilidade , Jardim São Paulo é um bairro muito movimentado , com diversos pontos de comércio nas suas vias principais : a Avenida São Paulo e a Rua Leandro Barreto , o que ocasiona um tráfego intenso de veículos e pedestres .

Rua José Natário , já no bairro de Areias , umas das saídas de Jardim São Paulo para a Avenida José Rufino , que dá acesso ao centros de Recife e Jaboatão

Motoristas sentem dificuldade em transitar por Jardim São Paulo

Entrar ou sair do bairro é considerado por muitos motoristas como uma peregrinação , isso ocorre em parte pelas características das suas vias , Jardim São Paulo não possui vias largas , as avenidas são estreitas , quase todo o trajeto nos principais logradouros do bairro é feito em 2 faixas , e isso ocasiona filas , principalmente nos horários de pico , pra quem deseja sair ou entrar no bairro.

Sistema viário de Jardim São Paulo , principais vias

Cortado pela BR 101 , quem mora no bairro reclama da falta de mobilidade nas vias , elas causam um certo estrangulamento no trânsito , por serem de duas faixas , tendo alguns trechos com quatro faixas o que causa um afunilamento que dificulta ainda mais o tráfego.

Como mostrados nas imagens abaixo , os principais pontos de congestionamento são justamente próximo a grandes avenidas , como a José Rufino , a Avenida Recife e a própria BR 101 .

Rua Leandro Barreto , onde fica a Vila La Roque

Avenida Liberdade , uma das saídas do bairro de Jardim São Paulo

Avenida São Paulo , trânsito em duas faixas

História do bairro de Jardim São Paulo

Nos anos 40 vendia-se lotes de terra e casas na área que hoje se denomina Jardim São Paulo , eram terras loteadas do antigo Engenho São Paulo , que funcionou até meados dos anos 20. Nos referido anos 40 ainda existia a casa grande do engenho , aonde os interessados nos lotes deveriam procurar informações. Na época , em alguns noticiários , Jardim São Paulo era anunciado como subúrbio de Areias , onde um terreno foi adquirido por um grupo de bancários , que negociavam a área para construção de casas.

Em 1948 era inaugurada a Vila Presidente Dutra , com 80 casas , entregues pela Caixa Econômica Federal . O bairro em construção era tido como o melhor clima da cidade .

Transportes

Jardim São Paulo conta com linha de ônibus desde os anos 40 , várias empresas já operaram no bairro , uma das primeiras foi a Auto Viação Cruzeiro , com frota de 4 ônibus . Em 1954 a Empresa Oliveira surgiu , e ganhou a concessão da linha em 1958 , num sistema que contava com 111 empresas operando na cidade , das quais 96 tinham regularmente seus carros nas ruas , com uma frota de 318 ônibus . A Oliveira operava a linha com monoblocos Mercedes - Benz , e guardava seus ônibus numa garagem na Cidade Universitária . Em 1979 a Empresa Oliveira passa a operar também a linha 336 Jardim São Paulo via Prado . Em 1981 a EMTU afastou a Empresa Oliveira das linhas de Jardim São Paulo e no lugar desta começou a operar a Metropolitana .

Foto postada no blog Bus do Vanderbilt , no itinerário a numeração da linha de Jardim São Paulo

Nos anos 90 foi a vez da Rodoviária Caxangá operar as linhas de Jardim São Paulo , e atualmente a Empresa Metropolitana é a detentora das linhas. Trafegam ainda pelo bairro as linhas : 209 Coqueiral / Barro ; 240 Cavaleiro / Ceasa ; 302 TI TIP / Caxangá ; 320 Curado I / Werneck ( via Totó ) ; 360 Totó / Boa Viagem ; além da linha complementar 205 – JARDIM UCHÔA/BOA VIAGEM

Fontes pesquisadas : arquivo Diário de Pernambuco

Ônibus que sobe o morro

Vamos começar com um pouco de história ...

* Em 1948 , o Sr. Heitor Pereira fazia uma solicitação no sentido de abrir concorrência pública para exploração de uma linha de ônibus na Rua Santa Isabel e Alto do Munguba , em Casa Amarela .

* Em 1949 outra petição era feita , desta vez pelo Sr. Ramiro Justino , para criação de uma linha para o Córrego do Bartolomeu .

* Em outubro de 1959 , a estrada da Nova Descoberta ( hoje Rua Nova Descoberta ) recebeu pavimentação em paralelepípedos , beneficiando as populações de Nova Descoberta , Vasco da Gama e áreas próximas com a operação de uma nova linha de ônibus , com 8 veículos .

* Nos anos 60 , com a chegada dos ônibus elétricos da CTU , as empresas que operavam linhas em Recife optaram por explorar subúrbios mais longínquos , onde os ônibus elétricos não chegavam , foi aí que começaram a surgir um maior número de linhas nos morros do Recife.

* Em agosto de 1960 , o sr. Hisbelo Queiroz encaminhava requerimento solicitando a Inspetoria de Serviços Públicos , a instalação de uma linha de ônibus para o Alto do Deodato em Água Fria . No mesmo mês , o mesmo sr. solicitava uma linha de ônibus para o Córrego do Genipapo.

* Em agosto de 1966 , a CTU inaugura uma linha a diesel para o Alto Santa Terezinha , servindo também as populações de Altos Coqueiros , Pascoal e Bomba do Hemetério.

* Em setembro de 1968 era inaugurada a linha do Jordão Alto .

* Em abril de 1976 , a CTU inaugurava mais uma linha de ônibus convencionais na Macaxeira , com terminal no Córrego do Jenipapo .

* Em dezembro de 1976 a população do Alto Dois Carneiros comemorava a inauguração da linha de ônibus da localidade , servida pela Expresso Vera Cruz .

* Em março de 1978 , na seção Cartas a Redação , do Diário de Pernambuco , um morador se queixa da exclusividade da CTU no Córrego do Euclides , dispondo de apenas ônibus elétricos na linha , e esses em mau estado e com intervalos demorados.

* Em fevereiro de 1981 , a EMTU cria a linha Morro da Conceição / Ceasa , operada pela Pedrosa.

* Abril de 1982 : começa a operar a linha Alto Treze de Maio.

Transporte Complementar

Algumas áreas dos morros do Recife são atendidas pelo Sistema de Transporte Complementar , com veículos de pequeno porte , os microônibus . São linhas que ligam comunidades onde os ônibus maiores não entram , algumas delas transportando gratuitamente até o terminal ou via onde o sistema de ônibus do Grande Recife opera .

Veja abaixo algumas linhas que atendem os morros do Recife e região .

Clique na linha para ver o itinerário

Comunidade
Bairro Linha que atende
Alto da Bela Vista
Coqueiral
203 - Totó / Alto da Bela Vista
Alto da Bela Vista
Jordão
305 - Jordão Alto / Jordão Baixo / Alto da Bela Vista
Alto da Brasileira
Nova Descoberta
117- Alto do Refúgio / Alto do Reservatório / Alto da Brasileira
Alto da Favela
Nova Descoberta
109 - Alto Esperança / Alto da Favela / Vasco da Gama / Via Academia das Cidades
Alto da Jaqueira
Jordão
304 - Jardim Primavera / Jordão Baixo / Alto da Jaqueira
Alto da Serrinha
Alto José Bonifácio
118 - Alto do Maracanã / Alto do Brasil , 710 Beberibe / Derby , 714 Alto José Bonifácio ( AV. Norte ) , 743 Alto José Bonifácio ( João de Barros )
Alto da Sucupira
Caixa D`Água
894 Alto da Sucupira ( Córrego do Abacaxi ) / TI Xambá
Alto da Telha
Passarinho
120 - Alto da Telha / Nova Descoberta
Alto do Brasil
Alto Santa Terezinha
118- Alto do Maracanã / Alto do Brasil
Alto do Burity
Macaxeira
604 Alto do Burity / Macaxeira
Alto do Cajueiro
Águas Compridas
892 Alto do Cajueiro / TI Xambá
Alto do Capitão
Dois Unidos
746 Alto do Capitão
Alto do Deodato
Água Fria
119 - Córrego do Deodato / Água Fria
Alto do Formoso
Córrego do Jenipapo
604 Alto Burity / Macaxeira
Alto do Maracanã
Dois Unidos
111 - Alto do Maracanã / Dois Unidos , 117- Alto do Refúgio / Alto do Reservatório / Alto da Brasileira ,118- Alto do Maracanã / Alto do Brasil
Alto do Novo Mundo
Nova Descoberta
621 Alto Treze de Maio
Alto do Pascoal
Alto Santa Terezinha
711 Alto do Pascoal
Alto do Piquiri
Coqueiral
203 - Totó / Alto da Bela Vista
Alto do Refúgio
Nova Descoberta
632 Alto do Refúgio , 117- Alto do Refúgio / Alto do Reservatório / Alto da Brasileira
Alto do Reservatório
Nova Descoberta
117- Alto do Refúgio / Alto do Reservatório / Alto da Brasileira
Alto do Rosário
Dois Unidos
113 – Alto do Rosário / Linha do Tiro , 114 - Alto do Rosário Esperança / Dois Unidos
Alto Doutor Caeté
Nova Descoberta
632 Alto do Refúgio
Alto Esperança
Vasco da Gama
109 - Alto Esperança / Alto da Favela / Vasco da Gama / Via Academia das Cidades , 114 - Alto do Rosário Esperança / Dois Unidos
Alto Jardim Progresso
Nova Descoberta
102 - Alto Jardim Progresso / Alto Doutor Caeté
Alto da Serrinha
Alto José Bonifácio
714 Alto José Bonifácio ( Av . Norte )
Alto do Vento
Sucupira
244 Alto do Vento / TI Cavaleiro
Alto Dois Carneiros
Dois Carneiros
142 Alto Dois Carneiros / TI Tancredo Neves
Alto Nossa Senhora de Fátima
Alto José Bonifácio
106 - Alto Nossa Senhora de Fátima / Vasco da Gama / Via Academia das Cidades
Alto Santa Isabel
Casa Amarela
521 Alto Santa Isabel
Alto Santa Luzia
Nova Descoberta
604 Alto Burity / Macaxeira ,117- Alto do Refúgio / Alto do Reservatório / Alto da Brasileira
Alto Santa Tereza
Passarinho
116 - Alto Santa Tereza / Nova Descoberta
Alto Treze de Maio
Nova Descoberta
621 Alto Treze de Maio
Córrego da Areia
Nova Descoberta
513 Córrego da Areia , 517 Córrego do Inácio ,105 – Córrego do Boleiro / Casa Amarela / Jaqueira
Córrego da Gameleira
Jardim Jordão
125 Córrego da Gameleira / TI Tancredo Neves
Córrego do Bartolomeu
Morro da Conceição
718 Córrego do Euclides / Derby , 108 – Dois Unidos / Torre , 112 – Casa Amarela / Bomba do Hemetério / Shopping Tacaruna
Córrego do Boleiro
Nova Descoberta
105 – Córrego do Boleiro / Casa Amarela / Jaqueira
Córrego do Carneiro
Caixa Dágua
894 Alto da Sucupira ( Córrego do Abacaxi ) / TI Xambá
Córrego do Deodato
Água Fria
119 - Córrego do Deodato / Água Fria
Córrego do Euclides
Alto José Bonifácio
718 Córrego do Euclides / Derby , 113 – Alto do Rosário / Linha do Tiro , 108 – Dois Unidos / Torre
Córrego do Inácio
Nova Descoberta
517 Córrego do Inácio
Córrego João Carvoeiro
Fundão
119 - Córrego do Deodato / Água Fria , 721 Água Fria
Fontes pesquisadas : Google Street View , Acervo Diário de Pernambuco

Transporte público nos bairros de Olinda : Rio Doce

Rio Doce , o mais populoso bairro de Olinda , com mais de 40 mil habitantes , numa área de 3 km ² ( Fonte Wikipédia ) .

Rio Doce está dividido em 5 etapas , possui um terminal integrado ao SEI , uma faixa de praia , e a seu território é formado em sua maioria por conjuntos habitacionais construídos na época da Cohab .

A orla , recém - construída , não tem a mesma característica de Boa Viagem , por exemplo , uma vez que possui ainda , muitas residências horizontais , que devem ser substitúidas por edifícios nos próximos anos .

Transporte

O transporte público é feito por ônibus , diversas linhas fazem atendimento ao bairro ,que tem no seu terminal integrado a maior concentração de linhas que passam por Rio Doce ; a grande maioria das linhas é operada pelo Consórcio Conorte, vencedor da licitação. Veja no mapa as vias por onde trafegam as linhas de ônibus :

Linhas que atendem ao bairro :

881 TI XAMBÁ / RIO DOCE (AV. GETÚLIO VARGAS)

882 TI XAMBÁ / RIO DOCE (CARLOS DE LIMA CAVALCANTI)

884 JARDIM BRASIL / RIO DOCE

885 SÍTIO NOVO / RIO DOCE

886 OURO PRETO / RIO DOCE

910 PIEDADE / RIO DOCE

930 RIO DOCE / DOIS IRMÃOS

1907 PAULISTA / RIO DOCE

1929 ALAMEDA PAULISTA / RIO DOCE (MARANGUAPE I)

1960 MARIA FARINHA / CASA CAIADA

1966 RIO DOCE (CIRCULAR)

1978 LOTEAMENTO CONCEIÇÃO / RIO DOCE (PE-22)

1981 RIO DOCE (CONDE DA BOA VISTA)

1983 RIO DOCE (PRINCESA ISABEL)

1985 RIO DOCE (BACURAU)

1986 TI RIO DOCE / TI PE-15

1987 RIO DOCE (PRÍNCIPE)

1996 ARTHUR LUNDGREN II / RIO DOCE (PARATIBE)

2920 RIO DOCE / CDU

História

Em julho de 1949 , já havia registro de uma linha de ônibus para Rio Doce . Nos anos 70 a Empresa Nápoles , de Marconi Filizola ( ver matéria ), operava a linha de Rio Doce .

Em agosto de 1974 , a linha Rio Doce ( Cohab ) era operada por microônibus da Nápoles .

Rio Doce / Varadouro foi uma das primeiras linhas criadas para o bairro .

Em 1980 , a linha Rio Doce tinha 15 opcionais e 30 carros normais .

Em 30 de maio de 1980 iniciava a linha Olinda / Cidade Universitária , com 16 ônibus da Empresa Nápoles e CTU e terminal em Rio Doce . A linha T - 204 Olinda / Casa Amarela , teve a mudança de terminal para o bairro de Rio Doce em julho de 1981 , posteriormente se tornando a atual 930 - Rio Doce / Dois Irmãos .

Em outubro de 1981 , parte da frota da linha Rio Doce tinha seu itinerário estendido até a Boa Vista , era o ato inicial do que mais tarde seria a linha 1981 Rio Doce ( Conde da Boa Vista ) .

Em abril de 1983 , a linha Rio Doce / Jardim Brasil era operada pelas empresas Nápoles e Fátima .

Curta nossa página no Facebook e fique por dentro das próximas publicações 

Blog Mobilidade & Transporte / Facebook

Links

Fique por dentro !

MINIATURAS

Minha galeria